Dicas

3 Dicas para manter o foco e novos projetos.

Imagem de girl, cigarette, and nails

Eu sou a pessoa mais confusa do mundo, sempre tento fazer tudo ao mesmo tempo e acabo me atrasando mais e mais. Há 7 anos atrás eu comecei um rascunho de uma história em um caderno, criei um mundo fantastico que existia na minha cabeça, depois de meses trabalhando naquela história eu simplesmente tive outra ideia, comecei a escrevê-la em outro caderno, deixei aquela de lado e tenho feito muito isso desde então.

Hoje ao olhar para minha mesa de trabalho eu fico em choque em ver o quanto de conteúdo eu produzi nesses sete anos e nunca mostrei para ninguém, fora meus dois livros de poemas publicados, percebi que as pessoas só me conhecem como poetisa, não conhecem meu trabalho como cronista e escritora.

Esse ano decidi tirar pelo menos três caderos da gaveta, e já iniciei um plano para termina-los e publica-los, não sei se conseguirei finalizar até o fim deste ano, mas estou totalmente focada neles, um deles eu resolvi disponibilizar os primeiros capitulos no Wattpad, o segundo é total segredo até que fique pronto, ele está quase beirando a perfeição, mas ainda não está como eu quero, e o terceiro é um projeto que eu fiz no catarse de um livro para minha filha, então funcionara assim, se eu arrecadar o valor necessario para a publicação ele será feito, senão tentaremos novamente no futuro.

Mas hoje eu gostaria de contar como faço para manter um foco e dar algumas dicas, recentemente conheci um rapaz de Luanda que veio bater um papo comigo no facebook e me fez algumas perguntas sobre isso, e foi depois de nossa conversa que eu tive a idéia de criar esse post, então vamos lá?

Ele me disse que sempre tem em mente algumas ideias para escrever, e que por um tempo ele até trabalha naquela história, mas depois de um tempo uma nova ideia surge e ele acaba deixando a primeira de lado, ai ele me perguntou:
 1º Como fazer isso parar?
Isso é bem parecido com o que aconteceu comigo durante esses sete anos segundo o que eu contei lá no inicio desse post, ai eu respondi a ele que ele não precisa parar, o que precisa é ter um foco, meio obvio isso né, mas muito real, se vem outra ideia, escreva ela, se vir duas, três ou cem, escreva todas, mas escolha uma para trabalhar até o fim, tire uma ou duas horas do seu dia para fazer apenas aquilo, ser exclusivo para aquele livro sem pensar em mais nada, mesmo que não surja nenhuma ideia boa, escreva qualquer coisa que lhe surgir, no dia seguinte sente e releia tudo e veja o que se pode aproveitar daquilo que foi escrito.
2º Como pode definir o tipo de livro que quero escrever?
Você não escolhe o tipo, o livro te escolhe na verdade, eu escrevo sobretudo poesia, meus dois livros publicados são poesia, eu escrevo outras coisas, terror, drama, ficção, mas a poesia faz parte de mim de forma inexplicável, você vai perceber o que te atrai, o que te dá gosto escrever, aquilo que você mais se sente feliz quando faz.
3° Como não se perder no meio do caminho, sem se distrair com outras coisas?
Distrações existem. Fato!
Não é fácil, mas sim, dá para fugir delas. Eu acredito que hoje em dia uma das maiores distrações tem sido a internet, celulares e redes sociais.
Ah mas é só desligar a internet Jo!
Não, não é só desligar a internet, eu já vi pessoas (inclusive sou uma delas) que se não tem internet, ficam testando os aplicativos que não precisam estar online, ou ficam jogando joguinhos, ou que faz qualquer coisa, mas fica procrastinando no celular. Graças a deusa não sou mais uma dessas pessoas. Mas como resolvi? meu celular deu pau e parou de funcionar do nada e eu não tinha dinheiro para comprar outro, fiquei meses sem whatsapp, joguinhos e aplicativos, movimentava o facebook apenas pelo notebook e morria de preguiça de fazer isso pelo notebook, instagram eu usava o celular do marido para atualizar e também me dava preguiça, hoje em dia percebo que não sou mais tão dependende do celular, quando estou trabalhando não desligo a internet porque ainda a uso para pesquisas, mas evito abrir sites que me tirem do foco.
Sempre dá certo? não, nem sempre, ás vezes estou pesquisando sobre construção de personagem e quando percebo já estou na décima quinta página aberto vendo vídeos de remoção de cravos (sim sou muito estranha).
Mas o importante é se esforçar ao máximo, só esse mês eu consegui escrever 8 capítulos seguindo essa meta de manter o foco, e não é que deu certo.
Então é isso pessoal, as dicas foram menos hoje, mas acho que deu pra explicar um pouco sobre como faço para manter meu foco, e ajudaram o rapaz de Luanda, espero que possa ajudar mais alguém, e bora escrever nova geração de autores, precisamos de vocês.
Anúncios
Crônicas

O meu estuprador…

Texto escrito originalmente no blog: Como vejo o mundo em junho de 2014.

O meu estuprador talvez seja aquele senhor que faz bicos de pedreiro nas casas dos vizinhos, aquele que meu pai contratou para reformar uma parede lá de casa, ele me tocou quando eu tinha oito anos, apenas tocou com aqueles dedos imundos, será que isso é estupro? Eu não queria que ele me tocasse, eu não sabia o que ele estava fazendo, e fiquei com medo de contar para minha mãe.

O meu estuprador talvez seja o meu vizinho, o marido da melhor amiga da minha mãe, aos doze anos eu cuidava do bebê deles durante o dia, e o marido dela chegava primeiro, quando eu ia levar o bebê no momento da troca de colo ele tocava meus seios, eu não dizia nada, apenas ia embora correndo, todos os dias durante um tempo, até que disse para minha mãe que não tinha mais paciência para cuidar do bebê, será que se eu contasse para minha mãe ela acreditaria? Eu nunca saberia, pois tinha medo de contar.

O meu estuprador talvez seja o rapaz com quem perdi minha virgindade, eu disse não e mesmo assim ele me forçou, namorei com ele, porque cresci com minha mãe dizendo que nunca arrumaria um marido se não fosse virgem, “Que homem vai te querer se você já foi de outro” dizia ela, e me forcei a um relacionamento longo na esperança de um dia me casar com ele, porque se ele terminasse comigo com certeza nenhum outro iria me querer.

O meu estuprador talvez seja o cara que passa e buzina toda vez que faço caminhada, ou o que me chama de gostosa quando passa por mim na rua, ou o que me beijou a força em uma festa ou no carnaval, talvez o que me encochou dentro do ônibus. O meu e o de tantas meninas que nem se descobriram ainda, talvez não tenham onde se apoiar, talvez viverão o resto de suas vidas com medo e se escondendo, com medo de qualquer sombra que passe por elas, irão olhar todos os rostos, em busca de nunca mais encontrar o seu estuprador.

Não eles nunca serão os “Meus” estupradores, são apenas homens que tentaram me resumir a nada e que não tiveram sucesso nisso, sou mulher, sou forte, sou única, ninguém me faz mal se eu não permitir, ninguém me faz ser menos do que sou se eu não deixar e nunca deixarei.

poemas

Perdão mãe

Me desculpe mãe,
Se eu nunca vou ser o que você sonhou,
Eu quero viver no meu mundo,
E você nunca deixou.
Me desculpe mãe,
Por me perder no meio do caminho e não querer voltar atrás,
Por ter ido atrás dos meus sonhos,
Isso é o que me satisfaz.
Me perdoe mãe,
Se te fiz chorar com minhas atitudes imprevisíveis,
E escolhas erradas,
Eu nunca quis ser malcriada.
Me perdoa mãe,
Mas eu nunca vou ser a filha perfeita que você com tanto amor criou,
Nunca serei mais um robô dessa sociedade vilã,
Não serei mais um ioiô.
Só não peço perdão por ter me tornado o que sou,
Por amar quem eu sou.
(Poema da página 110, livro Borboletas na garganta de Josielma Ramos)
Crônicas

A arte de procrastinar

Imagem de crown, Queen, and tumblr

Uma vez há um pouco mais de dois anos atrás quando eu estava solteira, eu tinha voltado de uma balado com uma amiga, chegamos à minha casa ia dar quase 6 horas da manhã, sentamo-nos à mesa para comer alguma coisa antes de deitar e estávamos, confesso de fato meio bêbadas, porém lembro que me levantei e comecei a lavar a louça, havia vários pratos, panelas e talheres do jantar da noite anterior que eu havia deixado para lavar no dia seguinte.

Minha amiga começou a rir, achando que eu estava lavando louça porque estava muito bêbada, (e talvez fosse rsrs) mas na verdade eu morava sozinha, eu não tinha com quem dividir o serviço da casa, não podia delegar nem mandar ninguém fazer, era só eu. E lembro que naquele dia depois de voltar da balada nos iriamos dormir até sei lá, meio-dia e depois íamos sair, então se eu não lavasse a louça naquele momento eu provavelmente só lavaria no dia seguinte, e a louça ficaria ali, parada, estagnada.

Isso se aplica muito para nossa vida profissional, principalmente quando somos autônomos, o escritor, o músico, o artista não tem chefe, ele é seu próprio chefe, e o que acontece com nossos projetos se não o tirarmos da gaveta? Eles ficam estagnados, nada acontece, ninguém nunca vai saber e ninguém vai se importar.

E se seu projeto for o projeto que vai mudar o mundo? Nunca saberemos não é mesmo?

Fazer um projeto acontecer é como lavar a louça morando sozinho, se você não fizer ninguém fará por você (inclusive pensei nesse texto enquanto lavava a louça).

A gente tem um grande defeito, procrastinar.

Deixamos tudo para depois,

Começo na segunda!

Daqui a pouco eu faço!

E não, isso nunca dá certo.

_Eu disse segunda? Eu quis dizer quarta!

Não tenho uma dica especifica para nos salvar da procrastinação, porque eu confesso sou a rainha da procrastinação. Tanto que eu a divido em dois tipos, a meio-boa e a meio-má.

A meio-boa: Você está ciente de que é uma pessoa que procrastina, e sabe que como tudo depende de você então tudo bem deixar para depois, então você deixa pra lavar a roupa quando não tem mais nenhuma peça intima para vestir, deixa para lavar a louça quando só tem um prato limpo no armário, deixa pra fazer compras só porque sentiu fome, mas tá tudo bem, porque você só quer dormir mais um pouquinho ou ficar no celular mais um pouquinho, ou terminar aquele joguinho, e vê isso tudo como vantagem.

A meio-má: Você é um preguiçoso, odeia isso, fica com mil coisas na cabeça, sabe que tem que fazer tudo naquele momento, mas não faz, vai deixando pra depois, vai deixando, deixando… Até que tá em cima do prazo e tem menos de um dia para fazer tudo e agora está ai correndo de um lado para o outro igual barata tonta tentando fazer acontecer, e na verdade e que todas às vezes nos surpreende é que quase sempre acontece, e você fica aliviado, é como se gostasse do risco de deixar pra ultima hora, só para ter esse prazer de uffa, consegui!

Como rainha da procrastinação o meu conselho é, faça logo tudo de uma vez no momento que aparecer a ideia, o trabalho, ou seja lá o que for,  assim você se livra logo daquilo que está te prendendo a procrastinação, e não há coisa melhor que procrastinar sem ter nenhuma obrigação te esperando para cumpri-la, não que eu faça isso, mas é aquele velho ditado, “Faça o que eu digo, não faça o que eu faço!”.

E vocês são mestres em qual tipo de procrastinação? Contem-me!

Crônicas

Porque pessoas amando incomodam tanto?

 

Imagem de love, equality, and quotes

Hoje em dia é muito comum vermos diversas formações de familia, diferentes do que a sociedade está habituada, familia essas que existem, mas não são aceitas como o tradicional, mas o que é familia? as vezes nem a nossa própria familia é tão familia como podem ser nossos amigos, familia não necessita de ser especificamente um casal com filhos, mas é isso também, e quando falo casal eu falo de duas pessoas que se amam, namoram, vivem juntas ou são casadas e notem que em nenhum momento eu disse homem e mulher.

Mas não estou aqui para falar sobre familia e sim sobre amor, amor diferente, amor único, amor igual…amor.

Eu assisti um vídeo semana passada no youtube de uma moça chamada Nataly Neri e eu me apaixonei por ela, ela fala de moda, de roupas de brechó, de como costurar e estilizar,  cabelo e maquiagem e de temas politicos também, ela fala sobre racismo, feminismo negro e relacionamentos.

A Nataly namora o Jonas que é um homem que nasceu mulher, e é nesse ponto que eu quero chegar, eu  assisti um vídeo onde eles explicam sobre como se conheceram, sobre a transição do Jonas, aceitação da familia e mais um monte de coisas, só que eu tenho uma mania quando estou no youtube, eu fico assistindo um vídeo atrás do outro, fico olhando a lateral e tudo que me chama a atenção eu já vou clicando para assistir a seguir, e acontece que infelizmente eu cliquei em um vídeo que me levou ao canal de um rapaz negro inclusive e muito do preconceituoso, ele detonava a Natali, o cara fez um vídeo só para falar mal da moça do outro vídeo, não irei dizer o nome do rapaz, porque pra gente desse tipo nós não damos ibope.

Eu sinceramente fico tentando entender as pessoas “ah hoje eu não tenho nada pra fazer, hum, acho que vou então causar uma treta na internet falando de uma feminista mal comida”

O cara simplesmente fala mal de toda a militancia dela, fala mal por ela falar sobre negros já que para ele ela ser uma negra de pele clara não a coloca no lugar de negros retintos como local de fala, fala mal por ela namorar um rapaz que um dia foi mulher, e os comentários do vídeo são o pior.

“Eu fico tentando entender porque eu fui ler os comentários”

Eu nunca fui de falar sobre feminismo e suas causas em geral, nunca levantei uma bandeira e disse “Oi, eu sou feminista” mas no fundo eu sinto o feminismo, hoje em dia é perigoso se intitular assim, não apenas por quem é de fora, até mesmo por pessoas de dentro, eu acompanho a causa, eu concordo com milhares de pautas, eu vivo minha luta diária, mas não saio na rua, não participo de manifestações “bem que eu queria”, eu debato com amigas, mas depois que me tornei mãe de uma criança que depende totalmente de mim ficou mais dificil acompanhar, hoje minha filha é meu motivo de existir, mas mesmo sendo mãe eu ainda sou mulher.

E quando eu vejo casos como este que relatei eu fico chocada em perceber que em pleno 2018 temos que presenciar isso, desde criança eu sempre ouvi minha mãe falar que conforme os anos passam, as pessoas mudam junto com o mundo, mas tudo que eu tenho visto de uns anos para cá, foi o mundo retroceder, foi as pessoas fecharem suas mentes, tirarem a liberdade do outro de ser quem quiser, de amar quem ele quer.

O que nos dá o direito de bater em um cara na rua que está de mãos dadas com outro?

O que nos dá o direito de chegar em um casal de mulheres e perguntar se elas topam um menage?

O que nos dá o direito de tocar no corpo de outra pessoa sem seu consentimento?

O que nos dá esse direito?

Eu posso ter escrito um monte de bobagens nesse texto, muitas dessas coisas não são meu local de fala, mas eu sou uma pessoa que está constantemente se desconstruindo, aprendendo e quebrando as barreiras dos meus próprios preconceitos, eu vejo as coisas  acontecendo e eu sinto muito por tudo isso, eu apenas queria abraçar todas essas pessoas que se sentem rejeitadas no mundo e dizer que vai ficar tudo bem, mas será que vai?

 

livros, poemas

Projeto novo, vem conhecer…

6

Boa madrugada pessoal, vim aqui só deixar o link do meu novo projeto para vocês, meu livro “Poemas para Maria Luiza”, vem conhecer um pouco mais desse projeto e a proposta de financiamento coletivo dele que está bem bacana, conto com vocês hein.

https://escritoraramos.wordpress.com/catarse/

Crônicas

Porque é assim que a vida é!

(Texto escrito originalmente em abril de 2015 no blog Como vejo o mundo)

Imagem de art, flowers, and drawing

Fui programada para ser a mulher perfeita, filha perfeita e esposa perfeita. Foi isso que a sociedade designou para mim logo assim que nasci, logo após o médico olhar no meio das minhas pernas e avisar a meus pais que era uma menina.

Que pena! Minha mãe até já tinha escolhido o nome se fosse menino, Rafael!

-Mas e agora?

-Que nome escolher?

-Não tinha me preparado para isso!

Cresci e a sociedade sempre me impôs o rosa, porque era menina.

-Ah, mais eu gosto de azul!

-Cala a boca, coloca esse vestido rosa e senta de perna fechada!

Seria bem mais fácil se fosse uma calça.

Tornei-me adolescente, meu corpo começou a mudar, meu seios apareceram e agora eu era objeto de desejo de garotos cheios de espinhas, hormônios em erupção, que nem faziam questão de disfarçar quando olhavam na direção da minha blusa.

-Olha, ela não usa sutiã!

Eu ainda não usava sutiã, e foi a primeira vez que tive vergonha dos meus seios, corri para casa e contei para minha mãe.

-É já tá na hora de comprar seu primeiro sutiã.

Eu gostava de correr com os meninos da vizinhança, brincar com eles, bater neles, apostar corrida de bicicleta, eu sempre ganhava. Costumava usar shorts curtos e confortáveis para brincar, mas ai veio a minha primeira menstruação, só tinha uma tia em casa que me deu o primeiro absorvente, que me explicou como usar, senti cólicas fortes e já não podia ir pra rua brincar.

-Agora já é mulher, não pode ficar correndo de shortinho curto com os moleques.

Perdi minha virgindade contra a minha vontade, mais por medo dele não gostar de mim, ainda assim eu fui, agora eu era uma puta.

-Agora ninguém vai te querer!

-Quem vai querer casar com você?

Fui reprimida, obrigada a esconder minha sexualidade, porque mulheres não devem sentir prazer.

Casei-me, porque alguém me quis mesmo não sendo mais virgem.

-Não é mulher para casar, ela não é virgem!

-Já que ele te quis assim mesmo, segura, não deixa fugir!

-Agora tem que ser dona de casa e com perfeição.

-Lavar, passar, cozinhar e cuidar bem do marido, dar prazer mesmo que você não tenha.

-Porque você é mulher e essa é a sua obrigação, então seja boazinha, senão ele te troca por outra viu!

-Chegou a hora de ter filhos não acha?

-Está ficando velha, vai ficar pra titia!

-Todas suas amigas já são mães, só você não!

-Filhos são bênçãos de Deus!

-O que? Não quer ser mãe? Você diz isso agora, espera só até você ter um.

-Porque você não quer ser mãe? Quem vai cuidar de você na velhice?

-Não quer ser mãe? Imagina se sua mãe pensasse dessa forma, você não existiria!

-Seu marido te largou? Foi porque não soube ser uma boa esposa, não faz nada direito, se fizesse tudo que ele queria não teria sido assim!

-Agora cala a boca, arruma um emprego e vai trocar a fralda do “seu” filho!

“Josielma Ramos”

Dicas

5 dicas para fugir do bloqueio criativo.

Imagem de light and pink

Bloqueio criativo é um dos maiores problemas de quem precisa ou vive de escrever, tanto para fazer um livro como um trabalho da faculdade, cursinho etc… ele é o vilão mais implácavel que há, eu tive um bloqueio criativo que foi como um coma profundo, ele durou 6 meses e foi por motivos de, que eu salvei um livro de quase 150 páginas em um pendrive apenas e em mais lugar nenhum, e ai perdi todo o meu trabalho, fiquei tão mal que não consegui escrever mais nada durante aquele tempo.

Mas depois disso desenvolvi umas técnicas bem pessoais para fugir do bloqueio criativo, elas funcionam muito bem para mim, não sei se funcionará para vocês, mas não custa nada compartilhar não é mesmo, vai que serve

1. Dar um tempo

Se eu estiver no meio do processo de escrita e não conseguir mais desenvolver o texto eu não continuo tentando, antes ficava horas na frente do computador e acabava entrando na internet e fazendo tudo de menos produtivo possível. Hoje em dia se não consigo, eu largo tudo e vou respirar, saio pra andar na rua de casa com minha filha, levo o cachorro pra passear, ou deito e leio algum livro, até lavar a louça é válido, a maioria das minhas ideias surgem ao caminhar ou lavar a louça confesso.

2. Tomar algo quente

Quando me preparo para começar a trabalhar eu faço uma xícara de chá ou café, é a melhor companhia nessas horas, o cheirinho do café e do chá despertam em mim emoções que não sei explicar, eu sempre acabo terminando algum poema antigo.

3. Banho

Tomar um banho relaxante e demorado é uma coisa que me ajuda muito, agora isso é quase raro desde que me tornei mãe, normalmente no meio do banho eu tenho que sair correndo porque a bebê acordou e pode pular do berço, então meus banhos não são mais tão sossegados como antes, mas essa dica ainda é válida para vocês.

4. Ler

A leitura ajuda a enriquecer nosso vocabulârio e a criatividade, quando mais se lê, maior é o leque de ideias que um escritor pode ter para a sua própria obra, vejam bem, não estou falando de plágio, de copiar a obra que se leu, mas sim usá-la como inspiração. Lembrem-se, se inspirar pode, plágio não.

5. Viver

Viva sua vida da melhor maneira possível, tenha experiências, viagens, passeios, socializar com amigos e conhecer pessoas novas, tudo isso é ótimo para se inspirar. O que melhor do que nossas próprias experiências reais, afinal uma autor que não conhece nada, não tem sobre o que escrever.

Dica extra

“E talvez uma das melhores dicas” Um bom vinho sempre vai bem. (Dica do Lucio do blog Toda Unanimidade)

Essas foram as minhas dicas de como fujo do bloqueio criativo, e vocês o que fazem para fugir desse temido vilão de todo autor?

Crônicas

Antes dos 30

Imagem de Dream, black and white, and newspaper

Eu tinha feito mil planos, sempre todos os anos durante a minha vida toda, tinha até uma lista sobre 30 coisas para se fazer antes dos 30, fiz ela quando eu tinha 25 anos, os 30 pareciam estar tão longe e eu achava que talvez nunca fosse sair da casa dos vinte, óh doce ilusão, completei 29 esse ano, e aquela lista ficou com o tempo de resolução tão apertado, claro que lá dos 25 anos pra cá eu consegui realizar algumas coisas, coisas até que não estavam na lista.

Realizei, sonhei, fiquei feliz, fiquei triste, sorri, chorrei, comecei a faculdade, publiquei um livro, passei por um divórcio, comecei a beber, tive crises de ansiedade, fui pra balada, curti a vida, conheci pessoas, me decepcionei com as pessoas, ganhei amigos, perdi amigos, conheci um novo amor, fiquei grávida, tive um bebê, perdi mais amigos, tranquei a faculdade, fiquei depressiva… e ai bati na trave, quase trinta 😱 e agora?

Nessa lista tinha sonhos grandes, como comprar uma casa, ou fazer uma viagem pelo mundo até coisas simples como ir para a academia todas as semanas do ano. Não fiz nenhuma grande viagem pelo mundo e muito menos comprei aquela casa dos meus sonhos, e pra piorar nem os pequenos objetivos eu alcançei, e olhe que eu tentei, paguei o mês todo e só fui em 3 aulas na academia, isso lá em janeiro do ano passado, agora vejo meu marido que vai toda semana (nos matriculamos juntos) ele está em forma indo há um ano e eu aqui na forma de preguiça eterna.

E agora? Tenho 11 meses pra terminar aquela lista!

Resolvi queimar a lista!

Quer saber, vou tentar tudo outra vez, mas dessa vez sem lista, tentar uma nova resolução que não precise me prender a metas e objetivos a serem alcançados, dessa vez será assim… Tenho um objetivo? Legal, vamos focar nele, fazer acontecer, realizar calmamente.

Realizei? Oba agora é curtir os frutos dessa realização.

Não realizei irei chorar um pouco (provavelmente muito) e ai bola pra frente.

Próximo objetivo!

Mas… Sabemos que não é bem assim que funciona não e mesmo? Somos humanos e estamos fadados a cometer os mesmos erros várias vezes, e é ai que entra o desafio, como não cometê-los? Como cumprir todas as expectativas que tenho sobre mim sem desistir ou me decepcionar em não alcança-las?

É, acho que tenho um árduo caminho pela frente, porque nem eu mesma sei responder as questões que afligem minha mente.

Decidi então que não tratarei mais as resoluções como tarefas a serem cumpridas, e sim como o que são, meus sonhos, afinal, quem desiste de seus sonhos? E como eu sempre digo, sonhos se realizam! Então bora sonhar.

E você? Qual a sua resolução de ano novo? Fez uma lista? Tem conseguido cumpri-la?

Inspiração

Escritores que me inspiraram a seguir a carreira literária

Todo adolescente é fã de algum galã de cinema, novela ou de bandas e vocalistas, eu era fã de escritores, amava me perder nas páginas de seus livros, ficava horas na biblioteca municipal da minha cidade e eu era uma das poucas pessoas que tinha autorização para levar 3 livros de uma vez para casa, e ler esses livros e conhecer a vida desses autores de alguma forma me moldou a ser o que sou hoje, a paixão literária foi crescendo e a vontade de ser como eles também, e hoje nesse post eu quero falar sobre esses autores que mudaram a minha vida e como me sinto a respeito de cada um deles.

Vinicius de Moraes

1913 – 1980

Desde adolescente eu sempre fui muito apaixonada por Vínicius de Moraes, foi desse amor platônico que nasceu meu amor pela poesia, pelos sonetos e pela música,  foi através dele que nasceu meu fascínio pelo amor e o romantismo. Eu passava horas lendo seus poemas, as músicas que compunha e pesquisando sobre sua vida boêmia e seus muitos  amores, tudo que envolve a obra e vida de Vinicius me encanta e me inspira.

Agatha Christie

1890 – 1976

Agatha foi quem despertou meu desejo por romances policiais, foi ela que me fez ter curiosidade e me atentar aos detalhes em tudo que eu escrevo, acho que de todos os autores os livros dela foi os que mais li, o primeiro livro que li dela eu tinha quatorze anos e se chamava O caso dos dez negrinhos, e tanto esse como Convite para um homicídio fizeram eu me apaixonar de vez por histórias sobre crimes e detetives, ela faz a gente se prender a esse mundo e devorar seus livros numa velocidade indescritível,  meu sonho é um dia escrever algo tão incrível como ela.

Sidney Sheldon 

1817 – 2007

Ele assim como Agatha me colocou no mundo de crimes e conspirações, o que me fascinava sobre ele além de suas obras incríveis, era que ele ainda era vivo quando comecei a lê-lo, isso me dava a sensação de que um dia eu o conheceria, mas em 2007 ele faleceu e eu fiquei tão triste como se tivesse perdido um ente da família.

Eu comecei a ler os livros dele muito por acaso, minha tia trazia livros da casa da patroa dela e me dava, e no meio desses livros o dele me chamou a atenção, lembro de ir para o cursinho naquela época e ficar namorando os últimos livros lançados dele na livraria que ficava no meu caminho, mas a grande tristeza da minha vida era não poder comprar, pois na época do cursinho eu mal tinha dinheiro até pro lanche, então me contentava com os que eu ganhava, e depois o que facilitou minha vida para ler os livros dele foi a biblioteca municipal, ela salvou minha vida rsrs.

Stanislaw Ponte Preta (Sérgio Porto)

1923 – 1968

Com Stanislaw Ponte Preta aprendi a escrever com humor, que nem tudo deve ser levado tão a sério.

Na oitava série uma professora de língua portuguesa me apresentou o autor e cronista, foi um dos primeiros autor de crônicas que li na vida, e eu me deliciava lendo as coisas incríveis que ele escrevia, naquela época eu decidi que  um dia me tornaria uma cronista, eu escrevia algumas coisa, mas nunca achei nada bom o suficiente e a poesia me ganhou, mas ainda sou tão maravilhada por esse autor como eu era lá na oitava série, ele foi uma grande inspiração para eu seguir essa carreira.

Charles Bukowski

1920 – 1994

Charles Bukowski eu conheci só muito mais tarde, e não posso me gabar de ter lido muitas de suas obras, mas tem um poema dele que marcou minha vida e minha transição como escritora, na verdade esse poema foi mais um tapa na minha cara e um choque de realidade, bem a cara de Bukowski.

Com ele aprendi que um pouco de safadeza e bebedeira não faz mal a ninguém, aprendi a ser mais critica e um pouco rude, nem sempre ser rude é falta de educação, apenas mostra que ninguém pode dizer o que bem entender para você.

Florbela Espanca

1894 – 1930

No colegial conheci Florbela Espanca através de uma colega que era apaixonada pelos seus poemas, ela costumava escrever trechos dos poemas nos cantos de seu caderno, eu pesquisei sobre a poetisa e me apaixonei e me identifiquei tanto com suas dores,. Conhecida como a poetisa dos excessos, eu aprendi a transformar a dor em poesia graças a ela, pois alguém que sofreu tanto na vida jamais poderia escrever coisas tão lindas, e ela escreveu.

J.K Rowling

1965

Com J.K Rowling eu aprendi que sempre há uma luz no fim do túnel, que sempre se pode contar com a magia que há em nós e ter fé que tudo irá melhorar, que o fundo do poço pode ser sempre mais fundo, mas que no último instante há uma salvação.

Essa mulher é meu maior exemplo de superação, sofreu abuso do ex-marido, passou necessidades financeiras, mas nunca deixou nada faltar para sua filha, viveu de ajuda do governo mesmo sendo constantemente humilhada, mas não deixou se abater e hoje é simbolo de persistência.

Uma de suas frases que é a minha favorita foi citada no documentário 1 ano na vida de J.K Rowling, quando o entrevistador lhe pergunta, o que você gostaria que estivesse escrito na sua lápide, como gostaria de ser lembrada? e ela disse, apenas alguém que fez o que pode com o talento que tinha.

Eu não desejo ser como eles, pois como eles só há eles, mas eu desejo chegar onde eles chegaram e quem sabe um dia ser tão boa quanto eles, espero um dia poder inspirar alguém como eles me inspiraram.